Ano letivo 2017/2018

ANO DO MORCEGO


2011 e 2012 são Anos do Morcego, e em prol da defesa dos únicos mamíferos voadores existentes no planeta, a nossa turma fez esta pesquisa sobre estes animais, para podermos sensibilizar a todos sobre a importância desta espécie, no mundo existem cerca de 1200 espécies de morcegos, cerca de metade das quais se encontra ameaçada de extinção.
Apesar de os morcegos serem protegidos por legislação nacional e internacional, passam por momentos difíceis. A perda do seu habitat, os pesticidas, e a matança indiscriminada de grande número deles estão a reduzir o seu total de milhões para milhares, e levando algumas espécies à extinção.
Os morcegos são animais extraordinários da família dos quirópteros, e, ainda que muitas vezes incompreendidos, são parte fundamental dos nossos ecossistemas, sendo por isso muito importantes para nós.
Eles polinizam várias árvores frutíferas e comem milhares de insetos noturnos, sendo por isso os melhores "inseticidas naturais" pois controlam a proliferação de insetos, um morcego insetívoro de apenas 4 gramas pode devorar até 200 insetos em uma única noite.
Além disso, são os mais eficientes dispersores de sementes, pois chegam a transportar aproximadamente 500 sementes de plantas típicas de florestas.
Os carnívoros são importantes no controle das populações de pequenos vertebrados, inclusive de pequenos morcegos e os piscívoros, de pequenos peixes.
Os morcegos gostam de lugares que não sejam muito quentes nem muito frios, são encontrados em todos os continentes com exceção da Antártica, não costumam viver em ilhas que estão longe dos continentes, preferem viver em lugares escuros, dormem de cabeça para baixo nas paredes das grutas e podem hibernar quando chega o frio, por isso, durante os meses quentes do ano, acumulam grandes quantidades de gordura, para no inverno manter a temperatura dos seus corpos.
Os morcegos não são todos iguais. Em Portugal existem atualmente 27 espécies destes mamíferos voadores, que variam muito no tamanho, aparência, comportamento e noutros aspetos da sua biologia, mas tal como no resto da Europa, as populações de muitas das nossas espécies têm vindo a diminuir, havendo em Portugal 9 em perigo de Extinção.
http://www.gesmo.org/Morcegos.htm
A maior espécie de Portugal é o Morcego-Arborícola-gigante. Podem atingir de uma ponta da asa à outra cerca de 40 centímetros.
http://umdiadecampo.blogspot.com/
Os mais pequenos são: o morcego-anão e o morcego pigmeu.
O maior morcego do mundo é a Raposa Voadora. Tem esse nome porque a cara e a pelagem são parecidas com as de uma raposa. É encontrado na Ásia e vive em bandos. Ficam no alto de árvores, esperando o entardecer para sair à procura de frutas.
A maioria dos morcegos estão ativos durante a noite, e apesar de terem boa visão noturna, utilizam principalmente o seu sistema de ecolocação que consiste na localização dos objetos e presas através dos ecos de ultrassons que emitem pela boca e pelo nariz.
A longevidade dos morcegos ronda os 4 ou 5 anos, mas algumas espécies chegam a viver cerca de 30 anos o que é surpreendente tendo em conta as suas pequenas dimensões.
Na Primavera dão à luz uma única cria, que cresce rapidamente e são alimentados com o leite da mãe.

Bibliografia Consultada:
Livro: Mamíferos - Na ponta dos seus dedos, Autor: Judy Nayer & Grace Goldberg.
Enciclopédia ilustrada: Como vivem os animais e Animais nossos amigos.
Sites Consultados:
http://www.wix.com/anodomorcego/icnb
http://www.morcegolivre.vet.br/
http://sotaodaines.chrome.pt/Sotao/morcego.html
http://morceguismos.blogspot.com/

Fomos cantar as Janeiras...

À Câmara Municipal de Alcobaça

À Fundação Maria Oliveira - Lar e Centro de Dia

As nossas histórias...



"Neve em África"
Certo dia numa manhã de Verão, uma família de elefantes passeava pelas matas de África, quando umas bolinhas brancas e frias caíram do céu.
Uma menina com cara morena, cabelos com tranças, corria por ali porque vivia por aquelas bandas. Ela corria na direção da mata onde o papá elefante, a mamã elefante e o bebé elefante passeavam.
A menina, assim como os elefantes, ficou surpreendida com aquelas bolinhas brancas e frias que caíam do céu. Nunca tinham visto tal coisa. Uma camada branca e fria passou a cobrir a mata inteira.
A menina correu para casa, vestiu o casaco de pele de hiena, pegou em madeira, fez uns esquis e foi para a mata esquiar, pois sabia que todos os animais tinham-se abrigado no quente das suas tocas. Mas a família de elefantes não se conseguiu abrigar na mata.
Ela disse aos elefantes para inspirarem ar, a família fez o que ela mandou, pois confiavam na menina. Os elefantes pareciam balões, por isso a menina pegou numas cordas, os elefantes agarram nelas com a tromba, ela montou os esquis e deslizou até ao outro lado da mata onde estava um imenso calor e lá deixou os elefantes.
Assim todos viveram uma grande aventura, única e especial.
Pelo que me contaram, todos estão desejosos de repetir.
Autor: Duarte

"O sonho"
Era uma vez uma menina chamada Mariana, que andava sempre a correr e quando chegava a casa cansada só queria dormir.
Numa das noites, teve um sonho, os seus pais e ela andavam a esquiar na Serra da Estrela, mas isso não era tudo, algo estranho se passou.
Enquanto estavam a esquiar, apareceu uma névoa. Já tinham visto névoa na neve?!
Mas aquela névoa não era normal, era fumo de anjos, mas anjos elefantes, era uma família completa.
A Mariana perguntou à família se a podiam puxar, assim ela podia andar muito mais rápido. Os elefantes concordaram e a Mariana ia tão rápido que acordou.
Que pena!!! O sonho acabou precisamente quando ela se estava a divertir. Mas ela sabia que todos os sonhos acabam, por isso foi andar de esqui.
Assim termina a minha história.
Autor: Alexandre

"A menina e os três elefantes"
Era uma vez uma menina chamada Mariana.
Certo dia foi esquiar para as montanhas com três balões que tinham a forma de elefantes, todos com um ar muito feliz.
A certa altura, os balões voaram e a Mariana ficou muito triste, ela tentou segui-los, mas... Ali perto estava um castelo que era de um gigante malvado. E cada brinquedo que fosse parar à sua varanda, já ninguém o voltava a ver.
A Mariana quando viu que os seus balões estavam no castelo do gigante, tentou ir buscá-los, mas o gigante Lucas acordou e impediu-a de entrar. Ela com a sua doçura e boa educação, lá conseguiu convencê-lo a lhe dar os balões.
A partir desse momento, o Lucas e a Mariana ficaram amigos, e em todos os invernos esquiavam juntos, cada um com os seus balões com as formas de elefante.
Autor: André Lopes

"A menina dos elefantes"
Era uma vez uma menina que tinha comprado dois elefantes, um chamava-se Pooplil e era o elefante pai e o elefante mãe chamava-se Sarabela. Essa menina também tinha um nome, chamava-se Bruna e tinha nove anos.
Numa manha muito fria de inverno, a menina levantou-se e foi à cidade com o pai comprar um celeiro para os elefantes. E assim foi, a menina e o pai montaram o celeiro e meteram os elefantes lá dentro.
Quando foi dormir teve um sonho, ela sonhou que os elefantes tinham fugido.
De manhã a Bruna acordou e foi com o pai dar o pequeno-almoço aos elefantes, mas os elefantes tinham fugido como no seu sonho.
A menina e o pai foram à procura de Pooplil e da Sarabela que tinham ido para a serra dos elefantes esquiar na neve equipados com todo o rigor.
Depois de muito procurarem, encontraram os dois elefantes e uma linda surpresa, um elefante bebé. Ela ficou tão contente que propôs à família elefante irem todos esquiar para comemorarem.
Com o nascimento do elefante tiveram de aumentar o celeiro e todos os anos acontecia o mesmo, até que um dia a Bruna tinha cento e cinquenta elefantes.
Autor: Francisco M.

"A tempestade de neve"
Há muitos anos, uma menina estava perdida a esquiar, porque estava muito nevoeiro.
Ela esquiou durante muitas horas e de repente começou uma tempestade de neve e infelizmente ela foi levada pela tempestade.
Quando acordou, estava dentro de um zoo, mas ela pensou que era uma casa.
Minutos depois ela viu que era um zoo e distraída entrou no recinto dos elefantes. Ela com medo encostou-se à parede e o elefante com a tromba fez-lhe uma festinha.
O senhor do zoo que assistiu a tudo, riu-se e foi ter com ela.
Quando já estava mais calma, o tratador deixou-a alimentar os elefantes e depois de os alimentar deu-lhe uma família de elefantes em forma de balão.
Ela gostou tanto daquela surpresa que quando foi esquiar levava sempre os balões com ela.
Certo dia, o gás dos balões acabou,mas ela nunca mais se esqueceu dessa experiência inesquecível...
Autor: Jorge


"Um sonho"

Lá muito, muito longe, no Pólo Norte, vivia uma família de elefantes.
Normalmente os elefantes vivem em sítios de calor, mas estes não, mas bem tentavam.
Um dia enquanto caminhavam, viram uma menina e disseram uns para os outros: “Não é possível! Uma menina estar aqui? Só pode ser do frio!”.
Mas era mesmo verdade, estava lá uma menina a esquiar na neve.
Os elefantes perguntaram-lhe como se chamava e ela disse: “Margarida”. A Margarida perguntou-lhe se eles não queriam ir para o calor, ao que eles disseram que sim, mas ainda não tinham conseguido realizar esse sonho.
Ela pensou, pensou e tornou a pensar, até que teve uma ideia, atou um fio aos elefantes, foi buscar uma máquina de encher balões e encheu os elefantes pela tromba… nisto ouviu a mãe a dizer: “levanta-te, já são horas de ir para a escola!”.
A Margarida logo percebeu que tinha sido tudo um sonho. Alguma vez viram elefantes a voar?
Pá, pá, pá, pé, pé, pé e esta é a história do Barnabé.
Autora: Mariana L.

"A amante de Elefantes"
Era uma vez uma menina chamada Catarina que adorava elefantes.
Um dia resolveu ir esquiar com a família para a serra da estrela. Quando lá chegou, viu um quiosque que vendia tudo, desde balões até esquis. Ela gostou muito de uns balões cor-de-rosa em forma de elefantes, pediu aos pais e eles compraram.
Na serra estava muito frio e havia muita neve e bonecos de neve por todo o lado, era uma diversão…
Quando foi a altura de esquiar, a Catarina pegou nos três balões e foi esquiar com eles, até parecia que estavam a voar.
Quando chegou a hora de ir embora, a Catarina pensou que tinha de vir mais vezes com os seus novos amigos.
Autor: Ricardo