Ano letivo 2017/2018

"O Rei e a Estrela"

História contada pela própria escritora...

Escritora: Vanda Marques
A professora, natural de Alcobaça, é escritora de livros infantis. e veio até nós para nos contar uma encantadora história sobre uma estrelinha amarela, amarelinha que brilhava no céu e que um dia, o Rei do Mundo decidiu que a queria só para ele. Pulou, subiu a um escadote e voou num avião... Tanto insistiu que a conseguiu agarrar nas suas mãos papudas. Mas... as estrelas são mágicas e deram uma grande lição ao Rei do Mundo.

As nossas histórias...

Uma viagem ao fundo do mar...

Certo dia, nós estávamos na praia a fazer castelos de areia e fomos buscar água, mas caímos num buraco e fomos parar ao fundo do mar.
Nós ficámos surpreendidos, primeiro porque conseguíamos respirar debaixo de água, depois haviam imensas cores, muitos peixes, polvos e estrelas-do-mar.
Nada podíamos fazer, então seguimos o nosso caminho para ver o resto da beleza do mar, encontrámos mesmo no fundo do mar um castelo. Este estava coberto de ouro, jóias e de plantas comestíveis. Como estávamos cheios de fome, começamos a comer daquelas plantas deliciosas, mas o rei ao ver-nos a comer das suas plantas, mandou-nos prender.
Quatro horas mais tarde tiraram-nos da prisão e deram-nos um mapa. O rei disse que para sermos livres tínhamos que seguir o mapa e encontrar o tesouro, e que ainda ficaríamos com metade do dinheiro. Nós, como seres inteligentes, conseguimos o tesouro, ficámos com metade e livres novamente.
Depois de treparmos o buraco e chegarmos à praia de novo, reparámos que já não tínhamos dinheiro nenhum. Que decepção...
Logo a seguir o rei do mar, contou-nos a história que se tinha passado e ficámos a saber que um anel do tesouro abriu a porta da prisão onde estava a princesa aprisionada.
Bem, não ficámos com o dinheiro, mas salvámos a princesa.
Depois fomos a correr ter com os nossos pais e contámos-lhes a nossa aventura, eles não acreditaram, mas nós sabíamos que era verdade...

Autores: Duarte e André L.

Uma viagem à LUA...


Era uma vez um menino que queria ir à Lua.
Um dia o pai comprou uma nave, mas só cabia uma pessoa lá dentro, mas como o pai confiava no seu filho deixou-o experimentar.
Estava a ser uma viagem espectacular até que a nave descontrolou-se, felizmente foi parar à Lua.
O menino viu que a nave tinha avariado, por isso saiu para fora com o seu fato espacial, apesar de tudo, estava a ser muito divertido...
Passado algum tempo o menino viu uma coisa a mexer-se e reparou que eram uns seres peludos, de cabeça grande e brilhante, tinham um ar de maus e assustadores, e assim que viram o menino aproximaram-se. O menino com medo foi para dentro da nave e trancou-se lá dentro, mas para espanto dele, reparou que aqueles seres estavam a arranjar a nave. Então ele ganhou coragem e saiu para conversar com eles e descobriu que eles eram os Guardiões da Lua, não eram maus.
Passaram horas a falar e por fim o menino pediu para tirar uma fotografia.
Quando voltou para o Planeta Terra mostrou a todas as pessoas os Guardiões da Lua.

Autores: Jorge e Ana

As nossas experiências...


Desaparecimento mágico:
100ml de Acetona + esferovite = desaparecimento completo do esferovite.
Porquê?
Porque a acetona dissolve a espuma de poliestireno (esferovite) pois ambos são de natureza orgânica. A acetona é muito poderosa...

As nossas experiências...



Diferenças de volume:
Dentro de um jarro colocámos:
250ml de H2O + 250ml de H20 = 500ml de Líquido (observado e medido)
A seguir tirámos 250ml de água do jarro e colocámos 250ml de álcool, mas não deu 500ml de líquido. Porquê?
Porque as moléculas de álcool são mais pequenas que as de H2O, logo ocupam os espaços vazios entre as moléculas de água, por isso a medição do volume regista-se a baixo dos 500ml - MAGIA!!!

As nossas histórias...

Uma viagem À LUA...

Era uma vez um menino chamado Leonardo e outro Cristiano, o grande sonho deles era ir à Lua, mas isso parecia impossível...
Eles quando iam para o parque, fingiam que iam num foguetão pequeno de brincar até à Lua e que lá conversavam com os seres espaciais, e assim sentiam-se felizes.
Alguns dias depois, pensaram em construir um foguetão, onde eles coubessem lá dentro, para a sua imaginação parecer mais real. O Leonardo pensou que podiam pedir ajuda aos pais para construir o foguetão, e assim o fizeram.
Demorou alguns dias para se construir o foguetão, mas quando ficou pronto, parecia mesmo verdadeiro. Nessa noite nem conseguiam dormir, mas lá adormeceram, e quando acordaram estavam dentro do foguetão e pousados na Lua. Nem dava para acreditar...
Rapidamente vestiram os fatos espaciais e ao saírem do foguetão viram dois extraterrestres verdes, estes não estavam sozinhos, eles tinham muitos amigos e chamaram-nos a todos, para darem as boas vindas aos meninos e fazerem-lhes uma visita guiada pela Lua.
Entretanto chegou a hora de ir para casa, mas o foguetão não trabalhava e os extraterrestres puxaram uma vez, puxaram duas vezes, três vezes e o foguetão passou a trabalhar e voltámos ao nosso Planeta Terra.

Autores: Ricardo e Luís

Uma viagem ao fundo do mar...

Num dia de Verão fomos à praia, e antes de irmos para a água fomos perguntar às nossas mães se podíamos ir nadar no mar. Elas disseram que podíamos ir, mas para termos cuidado.
Quando estávamos a nadar, de repente sentimos que o nossos corpo estava a transformar-se em belas sereias e assim pudemos nadar até ao fundo do mar e conhecer todos os seres vivos que lá vivem.
Vimos um polvo falante, cinco peixes diferentes e uma estrela do mar. De repente alguém falou para nós:
- O que estão aqui a fazer? - disse um polvo velho, mas bonito e parecia inteligente.
- Nós estávamos a nadar, afastámos-nos da praia e de repente transformámos-nos em sereias. - dissemos nós.
O polvo deu-nos umas dicas, de como podíamos voltar ao normal e regressar à praia. Nós aproveitámos as sugestões e fizemos tudo como ele tinha dito.
Ao fim de três horas, já estávamos normais e na praia.
Foi uma grande aventura, gostámos muito e não contámos nada aos nossos pais, pois eles nunca iriam acreditar.

Autoras:
Rosana e Mariana R.

Salsa:

Como planta aromática serve para temperar os alimentos.
Como planta medicinal é rica em vitaminas A, B1, B2, C e D, estimula a função renal e ajuda na digestão.

Orégãos:

Como planta aromática serve para temperar os alimentos.
Como planta medicinal é indicada no tratamento e prevenção da gripe, tem propriedades antibióticas e anti-inflamatórias.

Coentros:

Como planta aromática, a sua folha é usada como tempero.
Como planta medicinal tem propriedades digestivas e calmantes.

O nosso canteiro...

Plantação de ervas medicinais e aromáticas...

As nossas histórias...

Uma viagem ao fundo do Mar...

Certo dia, nós, o Lucas e a Jacqueline quisemos ter uma aventura no fundo do mar, e comprámos uns fatos especiais. Ao mergulharmos, encontrámos diferentes espécies de peixes, polvos, tubarões e estrelas do mar.
Lá no fundo, havia uma estrela do mar diferente das outras e nós ficámos curiosos e fomos a nadar até junto dela, de repente alguém disse:
- Essa estrela é especial, porque faz tudo o que tu queres! - disse um camarão bem gorducho.
Nós ficámos muito felizes e resolvemos ver se era verdade ou não, e pedimos à estrela:
- Gostaríamos de ver uma baleia!
E por magia, sem percebermos como, apareceu uma baleia muito grande, gira e ainda por cima cantava muito bem.
Nós ficámos ali horas e horas a ouvi-la cantar, nem demos conta do tempo a passar.Mas a escuridão chegou e tivemos de regressar para casa.
Ficámos felizes por tudo o que vimos e ficámos alegres para sempre.

Autores: Lucas e Jacqueline


Uma viagem à LUA...

Nós, Rafael e Nair, fizemos uma nave espacial e depois de a construir entrámos lá dentro e fomos em direcção ao satélite da Terra, a Lua. Quando a nossa nave aterrou na Lua, nós ficámos admirados com o que estávamos a ver, não havia água, nem árvores, nem animais, nada existia por ali, mas de repente apareceu um pequeno ser, verde, com antenas e com cara simpática. E nós perguntámos:
- Quem és tu?
Ele respondeu:
- Eu sou um habitante da Lua, um “Luatélico”.
- Que engraçado, gostas de viver aqui?
- Sim, mas às vezes sinto-me sozinho.
- Nós gostávamos de ficar contigo, mas não podemos, porque precisamos de oxigénio, de água e de comida para sobrevivermos.
E conversámos durante longas horas, até que chegou a hora de irmos embora, porque se não fossemos os nossos pais ficariam preocupados. Mas antes de irmos embora, prometemos que voltaríamos para o visitar.
Plim, plim, plim a história chegou ao fim…

Autores: Rafael e Nair